24/06/2020 às 11h37min - Atualizada em 24/06/2020 às 11h37min

Nuvem de gafanhotos: praga ainda pouco conhecida exige monitoramento e preocupa autoridades no Brasil

Rcpress
G1

nuvem de gafanhotos que chegou à Argentina e se aproxima do Brasil preocupa pesquisadores e autoridades brasileiras por ser uma praga ainda pouco conhecida e que é capaz de causar danos enormes às lavouras agrícolas.

Antes de chegar à Argentina, a nuvem de gafanhotos passou pelo Paraguai e, por lá, destruiu plantações de milho. De acordo com monitoramento da Argentina, os insetos devem seguir em direção ao Uruguai.

Isso preocupa o Ministério da Agricultura do Brasil, já que, ao realizarem este percurso, os gafanhotos passarão pelo oeste do Rio Grande do Sul.

Movimentação da nuvem de gafanhotos — Foto: Guilherme Pinheiro/G1

Movimentação da nuvem de gafanhotos — Foto: Guilherme Pinheiro/G1

Movimentação da nuvem de gafanhotos — Foto: Guilherme Pinheiro/G1

G1 ouviu agrônomos para esclarecer por que as nuvens se formam, se a praga é comum na América do Sul e como é possível combatê-la, entre outras dúvidas.

 

Praga pouco conhecida

 

Segundo um relatório do Ministério da Agricultura da Argentina, a espécie de gafanhoto que avança na América do Sul, chamada Schistocerca cancellata, causou danos severos à produção do país nos anos 1960 e ainda é "pouco conhecida". Novos ataques do inseto voltaram a ser relatados no país vizinho somente em 2015 e se repetiram em 2017 e 2019.

 

“Esta espécie causa danos em todas as suas fases de crescimento, possui um aparelho típico de boca para mastigar e ataca a parte aérea dos vegetais silvestres e cultivados", dizem os argentinos, reforçando que o inseto não traz nenhum risco aos humanos e nem é vetor de doenças.

 

Segundo o Ministério da Agricultura do Brasil, esses insetos estão no país desde o século 19 e causaram grandes perdas às lavouras de arroz na região Sul do país nas décadas de 1930 e 1940. Mas as nuvens não se formam desde então.

"(A praga) Tem permanecido na sua fase 'isolada', que não causa danos às lavouras, uma vez que não forma as chamadas 'nuvens de gafanhotos'. Recentemente, voltou a causar danos à agricultura na América do Sul, em sua fase gregária (formação de nuvens)", afirmou o ministério.

Ivo Pierozzi Júnior, doutor em ecologia, participou de um estudo pela Embrapa no final da década de 1980 de um fenômeno parecido ocorrido em Mato Grosso, porém com uma outra espécie do inseto (Rhammatocerus schistocercoides).

 

"A formação de nuvens de gafanhotos não é algo recorrente e nem um problema crônico da agricultura brasileira", diz o pesquisador.

 

Nuvem de gafanhotos avança pela Argentina e se aproxima do Brasil

Nuvem de gafanhotos avança pela Argentina e se aproxima do Brasil

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
--:--/--:--
 
 
 
 
 

Nuvem de

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp